terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Pressão alta na gravidez = Eclâmpsia, é gestação de risco e deve ser acompanhada por obstetra

"Pelo menos duas medidas alteradas de pressão na gestação? ===> hipertensão gestacional ===> parto domiciliar fora de questão ===> pré-natal com MÉDICO OBSTETRA ===> alto risco ===> exames adicionais são necessários ===> fora da alçada da parteira

Mesmo que estivesse calor? Mesmo que tivesse brigado com a sogra de manhã? SIM. Mesmo que qualquer coisa!

Uma medida de pressão alterada? ===> fazer "curva de PA" e colher exames (proteinúria principalmente, mas não apenas) ===> considerar que, salvo defeito do aparelho, provavelmente se trata de uma hipertensão gestacional em curso ainda não diagnosticada

Curva de PA = Medidas seriadas de pressão em casa, tem que comprar o aparelho, tem que medir, anotar, mandar pra equipe.

Repito: pré-natal para MÉDICO OBSTETRA!!! Parto domiciliar fora de questão!!!

Algumas das consequências da pressão alta na gestação, se não diagnosticada, monitorada e tratada adequadamente: restrição do crescimento do feto (bebê menor do que o esperado para a idade gestacional), eclâmpsia (convulsões em decorrência da pressão muito alta), descolamento de placenta (altíssimo risco de óbito para o bebê e hemorragia para mãe), síndrome HELLP (condição grave associada a complicações nos órgãos/sistemas afetados pela pressão muito alta na gestação), óbito fetal/neonatal, óbito materno.

Pressão alta na gestação é alto risco. No Brasil, é a principal causa de morte materna particularmente porque não valorizamos, diagnosticamos, monitoramos e tratamos adequadamente estes casos. Muitos desses casos de complicações associadas à pressão alta na gestação são potencialmente evitáveis. Cada caso de uma dessas complicações que acontece merece revisão cuidadosa do pré-natal, pois as chances não são pequenas de que tenha havido alguma falha no processo.

É preciso estar vigilante. Médicos e hospitais para quem precisa de médicos e hospitais."

Por Maíra Libertad Soligo-Takemoto, Enfermeira Obstetra Coletivo De Parteiras

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2015

Indicação de Profissionais - Parto Domiciliar no Rio de Janeiro

Para quem procura uma equipe de parto domiciliar no Rio de Janeiro, com excelente formação técnica, não intervencionista e que respeita a fisiologia do parto e o protagonismo da mulher e sua família:



quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Previsão para dia do parto falha em 96% dos casos - e a gente já sabia disso!

Atentem, pessoas, para o fato de que seu bebê provavelmente não nascerá na data prevista para o parto (DPP) segundo a ultrassonografia que vc fez, ou segundo as contas feitas pela data da última menstruação (DUM).
Os bebês podem estar prontos pra nascer e decidirem nascer entre 37 e 42 semanas de gestação.
E se seu médico usa a DPP para dizer que seu filho está "passando do prazo" há enormes chances dele estar ERRADO, se ele lhe marcar uma cesariana sem que vc entre em trabalho de parto por conta do mesmo argumento, provavelmente seu bebê nascerá prematuramente.
Taí mais uma forma de os obstetras engabelarem a mulherada pra marcar cesariana e eles ficarem com suas agendas certinhas. Caia fora!

---------------------------
Previsão para dia do parto falha em 96% dos casos, diz estudo
Especialistas ressaltam que cálculo não é exato e que confiar demais na data informada pelo médico gera ansiedade desnecessária em grávidas.

Por: Keith Moore, Da BBC New

Penelope (esq.) e Eleanor têm a mesma data prevista para o parto,
mas a chance de isso acontecer é de uma em 500. (Foto: BBC)

Quando Penelope Chaney encontrou sua amiga Eleanor Marshall, as duas mal puderam acreditar na coincidência. Ambas haviam sido informadas por seus médicos de que a data prevista para ambos os partos era 4 de abril.

Mas quais as chances de duas amigas darem à luz no mesmo dia?

Antes de responder a essa questão, é preciso entender como é estimada a chamada data prevista para o parto (DPP).

Na Grã-Bretanha, onde Penelope e Eleanor vivem, ela é calculada a partir da data da última menstruação – a essa, adiciona-se 280 dias, ou seja, 40 semanas.

Em seguida, um ultrassom determina outra data, que é estimada ao se medir o tamanho do feto.

Se essas duas datas ficarem muito distantes entre si, a do ultrassom é levada em conta.

No entanto, dados do Perinatal Institute, uma ONG britânica, mostram que as DPPs quase nunca são precisas. Na verdade, apenas 4% dos bebês nascem na data estimada.

Se por um lado é útil para os pais ter uma ideia de quando o bebê vai chegar, a principal função da data do parto é "definir uma métrica para o acompanhamento médico" durante a gravidez, explica o professor Jason Gardosi, do Perinatal.

"Um dos usos é interpretar testes de sangue no começo da gravidez para analisar se há riscos de anomalias congênitas. Para isso, é importante saber em que estágio da gestação a mulher está", afirma.

O conselho para grávidas, Gardosi afirma, é que o parto ocorra em qualquer momento entre a 37ª e a 42ª semana de gestação, em um período conhecido como "a termo", quando o bebê atingiu a maturidade esperada.

No Brasil, alguns médicos consideram que o limite é a 40ª semana – e recomendam cesárea após essa data. A medida é polêmica, já que muitos afirmam que ela resulta em um alto número de bebês prematuros, justamente pela imprecisão da data prevista para o parto. Por exemplo, se um bebê que teria 37 semanas tivesse, na verdade, 36.


Probabilidade

Para mulheres como Penelope e Eleanor, com gestações de baixo risco, há 60% de chance de o bebê nascer uma semana antes ou uma depois da data prevista para o parto.

E, como dito acima, apenas 4% dos bebês nascem na data que lhes foi prevista (ou 4,4% se excluirmos gestações de risco). Em outras palavras, a chance de isso acontecer é de menos de um para 20.

Então quais as chances das amigas terem filhos no dia 4 de abril? Apenas 4,4% de 4,4%, ou 0,2%. Ou seja: uma chance em 500.

Já as chances de seus filhos nascerem no mesmo dia – qualquer dia, não especificamente no dia 4 de abril – são maiores: uma em 30.

O cálculo ilustrativo, segundo Gardosi, contém uma mensagem importante para grávidas: a de que a data prevista para o parto pode enganar - e na maioria das vezes engana.

"Muitas mulheres ficam ansiosas ou impacientes se têm muitas expectativas sobre a data do parto. Precisamos explicar a elas que essa é apenas uma data que nos ajuda a determinar os estágios da gravidez."

domingo, 25 de janeiro de 2015

NOVO!!! Guia de Prática Clínica Sobre Cuidados com o Parto Normal

Parafraseando Ricardo Herbert Jones: esboço das diretrizes nacionais sobre Parto Normal e Cesariana. Um marco na história da atenção ao parto no Brasil.
Parabéns aos envolvidos na sua confecção, em especial Melania Amorim e João Batista Marinho, além de Esther Villela do MS.

Gratuito!!! Para Médicas(os), Médicas(os) Obstetras, Enfermeiras(os), Enfermeiras(os) Obstetras e Obstetrizes.

Link para baixar o "Guia de Prática Clínica Sobre Cuidados com o Parto Normal":


sábado, 24 de janeiro de 2015

Vaginal birth after two caesarean sections (VBAC-2)-a systematic review with meta-analysis of success rate and adverse outcomes of VBAC-2 versus VBAC-1 and repeat (third) caesarean sections

Source: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19781046

In: BJOG. 2010 Jan;117(1):5-19. doi: 10.1111/j.1471-0528.2009.02351.x.
Author: Tahseen S, Griffiths M. - Leeds University Hospitals NHS Trust, Leeds, UK. stjavaid@yahoo.co.uk

Abstract

BACKGROUND:
Trial of vaginal birth after Caesarean (VBAC) is considered acceptable after one caesarean section (CS), however, women wishing to have trial after two CS are generally not allowed or counselled appropriately of efficacy and complications.

OBJECTIVE:
To perform a systematic review of literature on success rate of vaginal birth after two caesarean sections (VBAC-2) and associated adverse maternal and fetal outcomes; and compare with commonly accepted VBAC-1 and the alternative option of repeat third CS (RCS).

SEARCH STRATEGY:
We searched MEDLINE, EMBASE, CINAHL, Cochrane Library, Current Controlled Trials, HMIC Database, Grey Literature Databases (SIGLE, Biomed Central), using search terms Caesarean section, caesarian, C*rean, C*rian, and MeSH headings 'Vaginal birth after caesarean section', combined with second search string two, twice, second, multiple.

SELECTION CRITERIA:
No randomised studies were available, case series or cohort studies were assessed for quality (STROBE), 20/23 available studies included.

DATA COLLECTION AND ANALYSIS:
Two independent reviewers selected studies and abstracted and tabulated data and pooled estimates were obtained on success rate, uterine rupture and other adverse maternal and fetal outcomes. Meta-analyses were performed using RevMan-5 to compare VBAC-1 versus VBAC-2 and VBAC-2 versus RCS.

MAIN RESULTS:
VBAC-2 success rate was 71.1%, uterine rupture rate 1.36%, hysterectomy rate 0.55%, blood transfusion 2.01%, neonatal unit admission rate 7.78% and perinatal asphyxial injury/death 0.09%. VBAC-2 versus VBAC-1 success rates were 4064/5666 (71.1%) versus 38 814/50 685 (76.5%) (P < 0.001); associated uterine rupture rate 1.59% versus 0.72% (P < 0.001) and hysterectomy rates were 0.56% versus 0.19% (P = 0.001) respectively. Comparing VBAC-2 versus RCS, the hysterectomy rates were 0.40% versus 0.63% (P = 0.63), transfusion 1.68% versus 1.67% (P = 0.86) and febrile morbidity 6.03% versus 6.39%, respectively (P = 0.27). Maternal morbidity of VBAC-2 was comparable to RCS. Neonatal morbidity data were too limited to draw valid conclusions, however, no significant differences were indicated in VBAC-2, VBAC-1 and RCS groups in NNU admission rates and asphyxial injury/neonatal death rates (Mantel-Haenszel).

CONCLUSIONS:

Women requesting for a trial of vaginal delivery after two caesarean sections should be counselled appropriately considering available data of success rate 71.1%, uterine rupture rate 1.36% and of a comparative maternal morbidity with repeat CS option.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Para médicos, mulher tem o direto de escolhe a via de parto, veja...

Abaixo, link para o debate entre o diretor de defesa profissional da SOGESP (Associação de Obstetrícia de Ginecologia do Estado de São Paulo), Sr. César Eduardo Fernandes, e a professora do departamento de Saúde Materno-Infantil da Faculdade de Saúde Pública da USP, Simone Diniz sobre pontos a considerar sobre as medidas anunciadas pelo Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Saúde Suplementar para diminuir o número de cesáreas no Brasil.
A mesa foi mediada pela jornalista Fabiana Futema, do blog Maternar.

http://www1.folha.uol.com.br/multimidia/videocasts/2015/01/1578856-para-medicos-mulher-tem-o-direito-de-escolher-como-quer-o-parto-veja.shtml

quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Metade das 826 operadoras de plano de saúde existentes no Brasil têm taxas de cirurgia cesariana para nascimentos acima de 90% em nosso país.

92 delas tiveram 100% de nascimentos via cesariana em 2013.


Agora me digam: vocês acham isso realmente normal? Acham que realmente não há algum ou vários interesses comerciais por trás disso? Acham realmente que isso é o melhor para as gestantes e bebês? Que isso não é uma epidemia e que não é um problema de saúde pública? E que o Ministério da Saúde e a ANS não tem que olhar melhor o que está havendo?

Leia a reportagem completa aqui:

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Tabu alimenta 'epidemia' de cesáreas no Brasil

Por: Mariana Della Barba, da BBC Brasil em São Paulo
Em: 21 janeiro 2015


"Uma vez cesárea, sempre cesárea." A frase, dita pelo pesquisador Edwin Cragin, em 1916, era para alertar seus colegas obstetras sobre o risco de se fazer uma cesárea e sobre como deveriam evitá-la, especialmente em mulheres grávidas pela primeira vez.

Hoje, 99 anos depois, ela continua, segundo especialistas, sendo tirada de contexto e usada para alimentar o tabu de que mulheres não poderiam ter um parto normal se já tiverem passado por uma cesárea.

Em um país como o Brasil, que tem o mais alto índice de cesarianas do planeta, essa concepção tem um impacto ainda maior, alimentando o que o Ministério da Saúde considera uma "epidemia" que já faz com que 84% dos partos na rede privada sejam cesáreas (na rede pública, é de 40%), enquanto o recomendado pela OMS é de 15%.

Embora tenha índices mais baixos que os brasileiros, os Estados Unidos também enfrentam desafios semelhantes para baixar do patamar de 32,8% de cesáreas, já que muitas das razões que fizeram esse índice subir por lá são as mesmas que temos aqui.


Um desses pontos em comum é justamente o tabu do parto normal após cesárea ou VBAC - sigla em inglês para Vaginal Birth after Cesarean Section (parto vaginal após uma cesárea), que também é usada no Brasil.


Proibido

O estudo "Listening to Mothers" (Ouvindo as Mães), feito com mais de 2.400 grávidas nos EUA pela organização Childbirth Connection, concluiu que muitas das cesáreas estavam ligadas ao acesso restrito ao VBAC.

"É claro que aumentar as expectativas (de que sempre é possível um VBAC) não é algo saudável para as mulheres", afirmou à BBC Brasil Carol Sakala, doutora em saúde pública e bem-estar materno da ChildBirth Connection. "Mas é completamente inaceitável que não se discuta a possibilidade de um VBAC com as mães. É inaceitável pressionar uma mulher a ter outra cesárea desnecessária diante da quantidade de evidências que temos hoje mostrando que VBACs podem ser seguros."

Carol ressalta que o estudo mostrou ainda que entre mulheres com cesáreas anteriores, quase a metade (48%) estava interessada em um parto normal, mas 46% tiveram essa opção negada. Em 24% dos casos, isso ocorreu por relutância do médico e, em 15%, os hospitais em que elas dariam à luz simplesmente não faziam VBACs.


'Fui chamada de louca'

Foi exatamente esses empecilhos que a enfermeira e professora da Universidade Federal de Brasília (UnB) Mônica Chiodi de Campos enfrentou ao ter seus três primeiros filhos - todos por cesárea - até conseguir ter seu quarto filho por parto normal, um VBA3C.

"Me colocaram todo o tipo de barreira possível. Foi muito difícil encontrar uma equipe para me auxiliar no parto. Fui chamada de louca por muita gente", conta.

"Na minha primeira gravidez, minha bolsa rompeu com 38 semanas e passei por uma cesárea de urgência. No meu segundo filho, meu ginecologista da época já me despejou a famosa 'uma vez cesárea, sempre cesárea', e assim foi. Na terceira gestação, achei que seria diferente, mas, ao ser atendida na maternidade por uma médica plantonista e por ter duas cesáreas, minha sentença já estava decretada."

A enfermeira conta que, quando engravidou pela quarta vez, encontrou um médico que, depois de muita insistência, topou lhe acompanhar. "Durante a gestação, pesquisamos muito sobre VBA3C, que ele nunca tinha feito. Há pouca literatura sobre isso no Brasil."

"Sofri muita pressão, mas me mantive firme. É claro que, se houvesse qualquer problema, faria uma cesárea. Mas meu parto foi ótimo e meu filho (que tem 3 meses) é super saudável. Ao saber da história, várias mulheres me procuraram, pedindo dicas de VBAC. Muitas nem sabiam que podiam fazer parto normal depois de uma cesárea."


Terrorismo

Para a obstetra e professora da UFSCar Carla Andreucci Polido, aos poucos as brasileiras estão indo atrás de informações sobre esse procedimento, mas ela acredita que ainda haja muito "terrorismo" sobre risco de rotura uterina após cesarianas.

Segundo Carla, estudos mostram que o sucesso de um VBAC após duas cesáreas pode ultrapassar 70% e que a segunda, terceira ou quarta cesarianas têm riscos de complicações semelhantes à prova de trabalho de parto após cesariana.

Já para o ginecologista Etelvino Trindade, presidente da Federação Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), o risco de rotura uterina é preciso estar bem claro para a mãe, já que se isso ocorre há chances de morrerem mãe e bebê.

Os dois médicos, no entanto, concordam que ampliar a discussão sobre o VBAC é um dos caminhos para se combater a alta incidência de cesáreas no Brasil.

"Entender que é uma possibilidade segura é uma constatação especialmente digna de nota em nosso país", afirmou Carla, em relação ao fato de Brasil ter a maior taxa de cesáreas do mundo. "Isso porque é cada vez mais provável que mulheres já cheguem aos obstetras com cicatrizes uterinas anteriores."


Tudo online

Mas como fazer para que o número de partos normais após cesáreas entre as brasileiras se eleve?

Se formos novamente comparar nosso cenário com o americano, vale considerar algumas medidas que elevaram a taxa de VBACs de 8,3% em 2007 para 10,2% em 2012.

As principais iniciativas vêm de organizações independentes, que divulgam informações sobre o procedimento, auxiliam grávidas interessadas no tema e publicam na internet taxas de VBACs de milhares de hospitais e médicos país afora.

Sites como o CalQualityCare comparam os índices em todas as cidades da Califórnia. O site VBACfinder também faz um levantamento na maioria dos Estados americanos. Outra fonte é o e-book Vaginal Birth Bans in America: The Insanity of Mandatory Surgery, que traz um mapa interativo com hospitais que não atendem mulheres com cesáreas prévias que querem tentar um parto normal.


É ou não cesarista?

No Brasil, a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) deu recentemente um primeiro passo nessa direção.

Uma das resoluções para estimular o parto normal e reduzir as cesarianas na rede privada (que atende hoje 23,7 milhões de brasileiras) prevê que as mulheres possam solicitar aos planos de saúde os porcentuais de cirurgias cesáreas e de partos normais por estabelecimento de saúde e por médico. O dado deve estar disponível em 15 dias, sob pena de multa de R$ 25 mil.

A medida foi criticada por algumas classes médicas, que consideram essa uma invasão na autonomia do médico.


"Invasão é quando uma mulher é cortada sem necessidade", afirma Carol Sakala, da ChildBirth Connection. "E a autonomia deveria estar com a mulher. Sempre que são publicados os dados sobre os procedimentos usados no parto, isso sempre melhora a situação e o atendimento de mães e bebês"

Para Carol, seria ainda mais útil se as barreiras fossem eliminadas, e os dados estivessem à disposição para todos online, sem a necessidade de pedir para o plano de saúde e esperar.

Segundo a ANS, essa possibilidade está sendo estudada para o futuro.

No entanto Trindade, da Febrasgo, diz que sua preocupação é com o fato de o médico poder ficar "estigmatizado" ao ver sua taxa de cesáreas se tornar pública.

"A percepção das taxas pode ficar enviesada e ter distorções, no caso de um médico especialista em casos complicados, de alto risco (que podem ser indicação de cesárea). Ele pode ser chamado de cesarista, como costumam dizer. E isso é incômodo para alguns", afirma o ginecologista, em referência a como são chamados médicos com altíssimos níveis de cesarianas.

Karla Coelho, gerente de assistência à saúde da ANS, rebate essa opinião, dizendo não creditar que haja médicos com 80% de casos complicados. "Isso é uma reversão da lógica. Não se pode banalizar essa discussão."

Trindade atribui a alta incidência de cesáreas, em parte, ao temor dos médicos brasileiros de serem processados.

"Os médicos estão mais reticentes em querer assumir um risco maior", disse, acrescentando que um congresso em março vai discutir medidas para se reduzir as cesáreas e apontar propostas.


Questionado se essas propostas não deveriam estar sendo feitas há anos, ele afirmou que "muitos médicos estão em sua zona de conforto e, embora concordem que é preciso reduzir as cesáreas, não se preocupam muito com isso".

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

4 vídeos que prometem desmistificar o que você pensa sobre o parto normal


Das parteiras tradicionais e "comadres" ao obstetra altamente especializado, com o passar do tempo e a evolução da medicina, o parto foi saindo da esfera familiar, deixando de ser visto como um processo natural, e aos poucos passou a ser encarado como um ato médico, muitas vezes com intervenções traumáticas e desnecessárias. Durante esse processo, o parto normal passou a ser alvo de preconceito.

O parto natural, feito em casa ou em centros médicos assistidos por enfermeiras obstetras, é melhor para mães e, na maioria das vezes, mais seguro para os bebês. É o que diz um estudo britânico divulgadopela BBC e o que o governo brasileiro pretende incentivar a partir de agora noshospitais pelo país.

O problema é complexo e rende muitas discussões, mas o ponto é que qualquer passo nesse sentido pode ser considerado um avanço, já que enquanto a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda que no máximo 15% dos partos sejam cesarianas, no Brasil, o índice é de 52%, chegando a 88% na rede privada.

A cesariana, quando não tem indicação médica necessária, pode ocasionar riscos desnecessários à saúde da mulher e do bebê: aumenta em 120 vezes a probabilidade de problemas respiratórios para o recém-nascido e triplica o risco de morte da mãe.


Inspirados por conseguir proporcionar um nascimento natural, saudável e extremamente participativo para seus filhos, alguns pais disponibilizam na web, vídeos que prometem desmistificar o que você pensa sobre parto natural. Selecionamos 4 deles:

1. Nascimento do Martim

2. Nascimento da Mariana

3. Nascimento da Isabella

4. Nascimento do Pedro

Link da reportagem original aqui.